Nós e Elos do Sarau de Poesia do Agrupamento Emídio Garcia

  • 56
  • 57
  • 58
  • 59
  • 60
  • 61
  • 62
  • 63
  • 64
  • 65
  • 66
  • 67
  • 68
  • 69
  • 70
  • 71
  • 72
  • 73
  • 75
  • 76
  • 78
  • 79
  • 80
  • 81
  • 82
  • 83
  • 84
  • 85
  • 89
  • 90
  • 91
  • 92
  • 94
  • 96
  • 12973581_1058718077518145_7402151353035838247_o
  • 13001211_1058717804184839_6513831204650940734_n
  • 111
  • 112
  • 113
  • 114
  • 115
  • 4
  • 1
  • 1
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 18
  • 19
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
  • 33
  • 34
  • 35
  • 37
  • 38
  • 39
  • 41
  • 42
  • 43
  • 44
  • 45
  • 46
  • 47
  • 48
  • 49
  • 50
  • 51
  • 52
  • 53
  • 54
  • 55

Como tinha ficado prometido, há um ano, foi reatado o SARAU DE POESIA no nosso Agrupamento e com o objectivo de que o mesmo se possa inscrever na duração; como uma infinidade de laços criativos e pedagógicos ao serviço da poesia.

Foi neste espírito que o Dr. Eduardo Santos, no salão nobre do Agrupamento, deu início a um novo momento de emoção e comunhão entre toda a comunidade escolar, onde se disseram e cantaram os maiores poetas de todos os países.

Orquestrados pelo Dr. Acácio, os alunos representantes da maior parte das turmas, apresentaram em cena, em música e em dança uma leitura dinâmica e entusiástica duma selecção de textos poéticos operada previamente pelos professores responsáveis. Poemas clássicos, poemas de amor com acento moderno, poemas de militantismo, de opressão, de amizade, floresceram ao longo do Sarau num salão repleto de admiração, sentimento e respeito pelos nossos tributados alunos.

O nosso agradecimento a todas as pessoas envolvidas no evento, onde, pouco a pouco se vai criando e cimentando um espaço específico de poesia, onde são propostas aos alunos escolhas de textos, biografias, pistas de reflexão, comentários pedagógicos, chaves de entrada para a obra poética nas diversas línguas.

A poesia, em geral, sofre de representações construídas sobre imagens erradas. A poesia obriga-nos a parar no tempo; podemos saborear os versos, as imagens, as palavras, abandonarmo-nos ao poema que é só ritmo, música e pedacinhos de emoção e felicidade.

Não lemos e escrevemos poesia porque é bonitinho. Lemos e escrevemos poesia porque somos membros da raça humana e a raça humana está repleta de paixão. E medicina, advocacia, administração e engenharia, são objetivos nobres e necessários para manter-se vivo. Mas a poesia, beleza, romance, amor… é para isso que vivemos.” (Filme― Sociedade dos Poetas Mortos)

Continuaremos no próximo ano, com novidades claro! Poderia ser criado um concurso durante o ano lectivo que premiasse os melhores poemas originais no dia do Sarau?!…

Adriano Valadar

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *